Fora do Mundial, Mariana Silva luta contra lesões para voltar ao judô

A judoca Mariana Silva, categoria 63 kg, está em fase final de recuperação da terceira cirurgia consecutiva no joelho esquerdo – sendo duas ligamentares.

Semifinalista dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 – terminou em 5º lugar –, a atleta da seleção brasileira está afastada das competições internacionais desde maio de 2017, quando conquistou a medalha de bronze no Grand Slam de Ekaterimburgo, na Rússia.

 Machuquei o joelho a primeira vez em junho de 2017 no treinamento de campo no Japão. Rompi o ligamento cruzado anterior (LCA) e passei por cirurgia no mês seguinte. Estava me recuperando bem, mas surgiram fibroses que limitavam movimentos e ganho de força na perna. Tive que passar por outra cirurgia, em novembro, para tirar as fibroses. Depois dessa cirurgia, consegui ganhar força na perna e voltei a treinar forte em abril deste ano – contou.

Focada no Mundial de Baku – que começa nesta quinta-feira, no Azerbaijão –, Mariana voltou aos treinos com força máxima nesta temporada. Porém, quis o destino que o joelho esquerdo fosse novamente o pivô de mais um afastamento da atleta.

– Estava bem, treinando forte, voltando ao ritmo, tanto que fui para o Japão com a Seleção. Treinei bem, não senti dor. Voltei para o Brasil ainda mais confiante, mas acabei rompendo novamente LCA do mesmo joelho esquerdo durante um treino e me submeti a mais uma cirurgia no dia 11 de julho – revelou a judoca.

Perseverante, Mariana se recupera bem da última cirurgia e não vê a hora de retornar aos treinos. O objetivo da judoca é voltar a competir no primeiro semestre de 2019.

– Depois de tantas lesões, o meu grande desafio é me recuperar bem, voltar aos tatames e quem sabe conseguir a vaga para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 – avisou.

O período longe das competições e a ausência nos dois últimos mundiais não desanimou a judoca. Pelo contrário, Mariana se sente mais forte e pronta para dar sequência na carreira.

– Todos esses obstáculos me mostraram que nós precisamos viver um dia de cada vez, pois não temos o controle das nossas vidas e a felicidade está na caminhada. Independentemente do destino final, o que ficará com você é aquilo que você plantou e se dedicou, com garra, determinação e muita vontade. A vontade de viver e vencer tem que ser maior que qualquer obstáculo – concluiu.

Fonte/foto: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *